Guia do Estomizado
                   

Guia do Estomizado

5 Tipos de Colostomias

5.1 Colostomia ascendente
5.1.1 Cuidados
5.2 Colostomia transversa
5.2.1 Indicações
5.2.2 Dejeto
5.2.3 Cuidado
5.2.4 Colostomia de alça
5.2.5 Barreira dupla
5.3 Colostomia descendente ou sigmóide
5.3.1 Indicações
5.3.2 Dejeto
5.3.3 Cuidado

Uma colostomia pode ser temporária ou permanente e pode ser feita em qualquer porção do intestino grosso, dependendo da causa da cirurgia. Geralmente, os tipos de colostomias são identificados pela localização do estoma: ascendente,transversal, descendente/sigmóide.

5.1 Colostomia ascendente

A colostomia ascendente localiza-se no lado direito do abdômen. O dejeto é muito líquido. Uma bolsa drenável é usada para colostomias desse tipo. Esse tipo de colostomia raramente é realizado, uma vez que é uma ileostomia o melhor tipo de estoma quando o dejeto é líquido. Quando uma colostomia está localizada na metade direita do cólon, somente uma pequena porção deste permanecerá ativa o restante poderá ter sido retirado ou mantido sem função.

5.1.1 Cuidados

Veja o item 5.2.3.

5.2 Colostomia transversa

Quando a parte do intestino grosso exteriorizada é no colo transverso, ou seja, a que vai do ângulo hepático ao ângulo esplênico.

5.2.1 Indicações:

• Diverticulite
• Trauma (ferimento)
• Defeitos de nascença
• Câncer no cólon descendente/sigmóide
• Obstrução do intestino
• Paralisia

colostomia transversa

5.2.2 Dejeto:

• Semi-sólido
• Drenagem imprevisível
• Contém algumas enzimas digestivas.

5.2.3 Cuidado:

• Proteção para a pele
• Bolsa drenável e, de preferência, recortável
• Bolsa fechada por conveniência ou para momentos especiais
• Bolsa drenável para estoma funcionante e proteção (ou bolsa fechada) para fístula mucosa, quando se tratar de estoma com duas aberturas.

A colostomia transversa fica na parte superior do abdômen, no meio ou mais para o lado direito do corpo. Diverticulite, doença inflamatória do intestino, câncer, obstrução, ferimento ou defeitos congênitos podem levar a uma colostomia transversa. Esse tipo de colostomia permite que as fezes saiam do cólon antes de alcançarem o cólon descendente.

Quando estão presentes no cólon condições tais como as listadas acima, pode ser necessário dar um descanso à região afetada. Uma colostomia transversa poderá ser criada por um período de tempo para impedir que as fezes passem pela área do cólon que está inflamada, infectada, doente ou recentemente operada, assim permitindo que ocorra a cura. Uma colostomia como essa geralmente é temporária. Dependendo do processo de cura, uma colostomia pode ser necessária durante algumas semanas, meses ou até mesmo anos. Por fim, em razão do restabelecimento da pessoa , é provável que a colostomia seja fechada e restaurada a continuidade normal do intestino.

Uma colostomia transversa permanente é feita quando a parte mais baixa do cólon deve ser removida ou permanentemente desabilitada. Essa também pode ser a escolha se outros problemas de saúde tornarem desaconselhável para o paciente sofrer uma cirurgia posterior. Esse tipo de colostomia fornece uma saída permanente para os dejetos e não será fechado em momento algum no futuro.
Há dois tipos de colostomias transversas: colostomia transversa de alça e colostomia transversa de barreira dupla.

5.2.4 Colostomia de alça

A alça inteira do intestino é trazida à superfície da pele e aberta para criar um fim distal ou não-funcional outro proximal. O lado distal é também chamado fístula de muco devido às secreções normais de muco que produz. O fim proximal ou funcional expele as fezes. Os pacientes cujos retos permanecem intactos podem experimentar a passagem de muco através do reto.

5.2.5 Barreira dupla

É semelhante a uma colostomia de alça, exceto que o intestino é dividido em dois estomas, um estoma proximal e outro distal. O estoma distal funciona como uma fístula de muco. O estoma proximal expele as fezes. As estomias de barreira dupla apresentam desafios no seu cuidado em razão da proximidade entre os estomas e dificuldade para localizar bolsas coletoras e protetoras.

5.3 Colostomia descendente ou sigmóide

5.3.1 Indicações:

• Câncer do reto ou do cólon sigmóide
• Diverticulite
• Trauma (ferimento)
• Defeitos congênitos
• Obstrução do intestino
• Paralisia
• Doença actínica (efeito da radioterapia)
• Infecções perineais graves

colostomia sigmoide

5.3.2 Dejeto:

• Semelhante ao dos movimentos intestinais normais.
• Regular em algumas pessoas, irregular em outras.

5.3.3 Cuidado:

• Evacuação natural ou irrigação
• Cobertura protetiva ou bolsa fechada, se a evacuação for regular.
• Se não for regular, usar uma bolsa drenável.
• Sistemas oclusores

Localiza-se na parte mais baixa do lado esquerdo do abdômen. Geralmente, a evacuação é firme e pode ser regulada. A colostomia sigmóide é, provavelmente, o tipo de colostomia que se realiza com mais freqüência.

A evacuação de uma colostomia descendente ou sigmóide é mais firme que a de uma colostomia transversa e não tem o conteúdo de enzimas cáusticas. Nessa localização, a eliminação pode ocorrer de modo reflexo, a intervalos previsíveis. O movimento intestinal ocorrerá depois que uma considerável quantidade de detritos tenha sido coletada no intestino. Um vazamento pode acontecer entre os movimentos porque não existe ânus para conter as fezes. Muitas pessoas usam uma bolsa leve e descartável por segurança. Um reflexo vai se dar de modo bastante natural em algumas pessoas. Para outras, uma leve estimulação, como um suco, café ou comida, será determinante para a eliminação. Ainda outras podem preferir a irrigação (item 8.3.2) como forma de cuidado.

Enquanto muitas colostomias descendentes ou sigmóides podem ser tratadas para apresentarem movimentos regulares, outras não o podem. Você deve compreender que o tratamento satisfatório, com ou sem estimulação, provavelmente se verificará somente naquelas pessoas que já possuíam movimentos intestinais regulares antes de adoecer. Se os movimentos intestinais eram irregulares nos anos anteriores, pode ser muito difícil, ou impossível, ter uma colostomia funcionando regular e previsivelmente. O cólon espástico ou o intestino irritável são condições em que o paciente pode ter períodos de constipação ou ficar com o intestino frouxo. Uma pessoa que apresentou tal condição no passado, antes de adoecer, pode não obter a regularidade.

Diz-se com freqüência que uma pessoa deve ter um movimento intestinal por dia. Na verdade, isso varia de pessoa para pessoa. Algumas pessoas têm dois ou três movimentos por dia, outras têm um a cada dois, três ou até mesmo mais dias. Você deve julgar pelo que é usual para si mesmo, não pelo que acontece com os outros.

Voltar à Apresentação

                   
imagem fegest